A Internet comemora seus 25 anos de existência Veja o que mudou nesse quarto de século

Em 1991, quando a internet começou (no exterior, porque aqui só foi liberada ao público em maio de 1995), a máquina do video abaixo era o padrão de uso. Com 1MB de RAM, monitor CGA (80 por 25 linhas, modo texto, ou 320×240 pixels, 16 cores, em modo gráfico), sistema operacional MS-DOS 6.22, ou Windows 3.11 Workgroup (a primeira versão que trabalhava em rede), e disco HD de 20 MB. Isso mesmo, um HD de 20 Megas.  Tudo isso rodando a incríveis 1.8 megahertz!

Mas não era tão ruim, já que a velocidade da internet era só de 1,2Kbps. Não se pode converter diretamente os kbps da época para os Mbps de hoje, já que na época eram bauds e não bits. Baud era a unidade de medida de sinais enviados por segundo. Nas conexões via linha telefônica eram necessários pelo menos mais dois pulsos além dos bits de dados, para fazer a transmissão de sinal. Então, um baud por segundo era, em geral, 20% maior que a velocidade em bits por segundo. 1kbps da época era algo em torno de 0,8 kilobits por segundo.

Com essa velocidade, transmitir aqueles 20MBytes do HD da máquina acima levaria mais de 48 horas. Se não caisse a ligação, com sorte, você transmitiria todo seu HD em dois dias (e ficaria sem a linha telefônica para falar durante o processo).

Outra coisa que chama a atenção nessa propaganda é a resolução da tela (80×25 linhas). Essa resolução fazia referência ao modo texto da tela, pois os computadores, até então, eram usados atraves de comandos inseridos pelo teclado de forma literal, atraves instruções literais.  E, quase sempre, a resposta era obtida da mesma forma, ou na tela atraves de tabelas ou numa impressora, por uma listagem.

Foi nessa época que começou a se popularizar as chamadas “interfaces gráficas com o usuário” e as primeiras telas gráficas eram de baixissima resolução, se comparadas com as atuais. Não só em número de pontos (as primeiras telas gráficas eram da ordem de 320×240 pontos) mas também em número de cores possíveis.  As primeiras eram apenas duas cores (preto e branco, preto e verde, preto e âmbar). Aos poucos foram surgindo resoluções maiores, com um número maior de cores possíveis.

Mas outra diferença fundamental entre 1991 e os dias de hoje diz respeito a dois aspectos intrínsecos da arquitetura da CPU (Unidade Central de Processamento) dos computadores.  As CPU’s são os circuitos eletrônicos centrais para o processamento dos dados e operavam a 1,8MHz naquela época (1 milhão e oitocentos mil pulsos por segundo). Hoje, as CPU’s trabalham a velocidades mil vezes maiores.  E, na maioria dos computadores, e até smartphones, existem pelo menos três ou quatro CPU’s trabalhando em paralelo, multiplicando assim a capacidade de processamento. E geralmente uma dessas CPU’s é dedicada exclusivamente ao processamento gráfico do video.

Compartilhar com:


Deixe uma resposta

Conectar com: