Papelcartão preserva a saúde do consumidor No Brasil a Anvisa regulamenta o mercado de embalagens, garantindo o acondicionamento seguro de alimentos

Alguns veículos de comunicação brasileiros publicaram recentemente uma pesquisa americana divulgada em uma renomada revista científica. O estudo comparou amostras de embalagens onde são armazenados os alimentos depois de prontos e que são comercializados nos Estados Unidos. O resultado constatou que as embalagens continham substâncias cancerígenas, como o flúor, que contaminavam os alimentos. Além do câncer, a presença destes químicos foram relacionados ao surgimento de outras doenças como o diabetes.

Mas, e no Brasil, como isso funciona? Aqui existe um rigoroso protocolo de normas e especificações para embalagens alimentícias. “A indústria é orientada a seguir as regras ditadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que, inclusive, disponibiliza uma lista positiva que discrimina as substâncias aceitas para esta aplicação”, explica Fabiane Staschower, executiva de Inovação de Embalagens da Ibema.

A Ibema, um dos principais players do mercado brasileiro e latino-americano, possui um completo portfólio de papelcartão que inclui produtos para o mercado alimentício. As soluções direcionadas para este mercado são certificadas para o contato direto com alimentos pela Anvisa e ISEGA, instituto alemão que há mais de 45 anos realiza testes e certifica produtos para embalagens no mundo. “As certificações chancelam a utilização do nosso papelcartão e comprovam a sua segurança alimentar”, conclui a executiva de Inovação de Embalagens.

As informações sobre o portfólio Ibema e suas aplicações estão disponíveis no hotsite www.produtosibema.com.br.

Compartilhar com: